Dicas para gravar melhor os seus treinos com o celular

Nandico pedalando na chuva.Salve atletas do Mova Mais! Bora treinar?

O avanço dos aparelhos celulares (smartphones) trouxe uma coisa muito legal para a prática de atividades físicas: estima-se que na data em que batuco essas palavras existam no Brasil mais de 60 milhões de smartphones habilitados e recheados com os sensores necessários para colocarmos tecnologia de ponta em nossa prática de caminhadas, corridas, ciclismo, etc.

A possibilidade de usar o celular para monitorar as atividades físicas baixou demais o custo de darmos o pontapé inicial nos exercícios sem a necessidade de comprar um equipamento especializado. Instalando os aplicativos de exercícios você consegue medir o seu avanço, comemorar suas conquistas e administrar o seu engajamento formando uma rotina de treinos. Como disse o pai da administração moderna:

Se você não pode medir, você não pode gerenciar.
Peter Drucker

Um celular serve para muita coisa – conversar no chat, navegar na internet, usar redes sociais, jogos, email, aplicativos de trabalho.. É com todas essas funções que os aplicativos de treino como o Strava, o RunKeeper e o MapMyRun dividem processamento, memória e conectividade para capturar o seu treino do início ao fim.

É relativamente comum que qualquer aplicativo em smartphones trave de vez em quando. Com os aplicativos de exercício que rodam em segundo plano já perdi algumas vezes quilômetros sagrados em que coloquei bastante suor. Sou adepto do pedal de longa distância (acima de 100 km) e a duração desses treinos acaba aumentando a chance dos aplicativos travarem. Mas há prevenção, não se preocupe!

Resolvi anotar aqui algumas dicas que uso para os aplicativos travarem menos:

  1. Planeje a carga da bateria do celular antes do treino.
    Saia sempre com o celular carregadinho. Nada pior do que dar pane seca na bateria no meio do exercício.
    Update:  Para usuário do sistema operacional Android recomendamos não ativar o modo de economia de bateria quando for fazer o monitoramento da atividade. Esse recurso faz com que o celular deixe de executar algumas funções para que possa ter uma reserva de carga maior, porém, uma das funções que costuma cortar é o GPS. 
  2. Feche os aplicativos que não estiver usando.
    Todas as vezes que meu filho usa o telefone ele deixa uns 15 jogos abertos ali disputando recursos. Por mais que os ‘watchdogs’ dos sistemas operacionais modernos prometam gerir isso automaticamente, liberar recursos para o seu treino sagrado pode ajudar a reduzir a chance do aplicativos travarem.
  3. Desligue os dados (Edge/3G/4G). A maioria dos smartphones economiza bateria e outros recursos quando está funcionando com o plano de dados desativado. O celular temporariamente sem dados ajuda também a reduzir as interrupções de notificações chegando durante a atividade, eliminando distração para você e para o celular, deixando ele “prestar atenção” na captura do treino. Sem dados você fica off-line para mensagens mas as pessoas continuam podendo te ligar em caso de emergências.
    Update: Algumas combinações aparelho/aplicativo podem não capturar os treinos corretamente com o serviço de dados desligado. Faça um teste prévio antes de embalar uma rota maior nessa nova configuração.
  4. Evite ficar fuçando no celular a cada parada. Siga essa regra principalmente se o seu aparelho for mais antigo ou for mais simples. Smartphones possuem diferentes quantidades de memória e capacidade de processamento. Cada vez que você faz o aplicativo retomar do plano de fundo para a tela e checa milhares de coisas no aparelho o telefone se esforça muito nessas trocas de contexto. Meu celular antigo travava os aplicativos na hora de tirar a “selfie” com os amigos – então criei a rotina de olhar o aplicativo de treino no final da pausa, antes de retomar o movimento.
  5. Evite pausar manualmente os exercícios. Uma hora você perderá dados. Já perdi alguns quilômetros “pausando” a atividade manualmente e depois saindo do posto de parada sem “reiniciar” o treino novamente. Hoje uso o “auto-pause” nos aplicativos que apresentam esse recurso: com essa função ligada quando o aplicativo percebe que você parou de se movimentar o exercício é pausado automaticamente.

O Mova Mais suporta também através de seus parceiros outros tipos de equipamentos especializados como Garmin, Suunto, TomTom, Polar, Timex e Soleus. Esses são os equipamentos comumente usados pelos atletas mais avançados. Eles deixam a tarefa de trackear o GPS a cargo de hardware especializado e especificamente calibrado para a função.

Fico por aqui desejando bons treinos a todos. Espero que aproveitem a dica!

Sobre o autor: Nandico é CEO do Mova Mais e pratica ciclismo amador. Tem como objetivo completar a Super Randonneurs Series e terminar a prova de ciclismo Paris-Brest-Paris em 2019.

2 Comments

  1. Paola Battaglia

    Nandico, adorei o texto e as dicas. Comecei a andar de bike há pouco tempo, não posso correr, por ordem médica, então só me restou a bike e estou adorando.
    Sou apaixonada por equipamentos eletrônicos e vi que vc listou alguns, mas não falou do Apple Watch.
    Eu tenho um Apple Watch e por mais que leia as instruções e recomendações, sinto que não o estou aproveitando da melhor forma.
    Quando pedalo uso o Strava e o Road Bike. Nunca tinha tido problemas, mas hoje, na pedalada mais longa da minha vida (40km? – pra quem faz mais de 100 isso não é nada, mas chego lá), deu algum erro no Strava e ele só registrou 18km além de mostrar uma rota completamente diferente da que fiz na volta. Vc faz Idéia do Pq isso aconteceu?
    Eu mexo no WhatsApp, snapchat, tiro fotos, atendo ligações ???
    Será que foi isso?
    Sorte que eu estava registrando a quilometragem no Apple Watch e liguei o Road Bike no Cel do meu marido, se não teria perdido tudo.
    Vc indica algum outro App pra bike?
    Obrigada pelas dicas!!!
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *